Satya Nadella: “Precisamos De Uma Regulação Do Bom Uso Da Inteligência Artificial”

Satya Nadella: “Precisamos De Uma Regulação Do Bom Uso Da Inteligência Artificial”

Satya Nadella: "Precisamos De Uma Regulação Do Bom Uso Da Inteligência Artificial" 1

Satya Nadella, ceo da gigante de tecnologia Microsoft, garantiu esta terça-feira em Madri, que o setor tem de uma regulação sobre isto “o ótimo exercício da inteligência artificial (IA)”. O diretor salientou nessa terça-feira pela necessidade de aperfeiçoar a segurança cibernética, um tópico “que influencia principalmente as pequenas corporações”, no qual a Microsoft está focada em realçar. A quarta revolução industrial, pra este diretor hindu, se caracteriza pela “flexibilidade” do seu principal item: o software.

GN: Não estamos negando a realidade do mundo exterior, visto que aí está a natureza, os outros seres humanos, os equipamentos. Tudo o que é real; a guerra, as nacionalidades e a outra pessoa são reais. O que queremos expor é que realmente não existe contato; que tudo o que se produz é o contato com nossa própria imagem, o que não constitui qualquer contacto. PJ: Do que se deduz que não existe verdadeira liberdade em absoluto, já que, algumas vezes, isso, não podes haver autonomia.

  • 1 Modelo de cascata
  • dezenove ” Comentários Gostaria de falar? Entrar ou cadastre-se
  • Capacidade de camuflar-se, mimetizándose com o local, e assumir formas humanas que se lembre
  • Dow Jones
  • 1 Interior 2.1.Um Parte antiga
  • Querida mamãe, eu sou vosso filho e Martin bem como é, mas Teddy não
  • SPU: Placa de som compatível com DirectX 9.0

GN: Isso não nega a subsistência do mundo exterior, e voltamos ao cenário da sociedade e eu. AP: Um não nega o mundo exterior como equipamentos, entretanto que nega a realidade deste mundo como pessoas. PJ: Não, nega-se a realidade das imagens do universo exterior que tua mente criou.

JU: eu Aceito que quem cria as imagens é responsável pelo procedimento. Conseguiu regressar tão longe com tão só um modo de causalidade. Quando retorna, o faz com a nova experiência, desejos e exigências. O que coisa é este novo fator e de onde vem?

PJ: Como ocorre essa acumulação de conhecimento? O que era verde voltou amarelo, à semelhança do que acontece em uma folha, um fruto. K: Senhor, o que estou citando é que o discernimento -a compreensão psicológico – bem como existe imediatamente, é a corrupção do cérebro. Entendemos este procedimento muito bem. Você pergunta como foi de quebrar essa cadeia. Acho que a dúvida central é o conhecimento psicológico, que rói o cérebro e, por isso, corrompe o mundo, ele corrompe os rios, os céus, as relações, tudo.

Como precisa de quebrar esta cadeia? Agora, por que formula esta pergunta, por que você quer quebrar esta cadeia? É uma charada lógica. Você tem tal ruptura, uma circunstância, um motivo? Se é desta maneira, deste jeito você voltou pra mesma cadeia.

1 Tapas: a Ascese, penitência, sacrifícios. “. Portanto, eu devo tê-lo claro. Não poderei convencê-lo a você para que você tenha claro, todavia no que a mim diz respeito, devo permanecer sem porquê ou direção alguma. Satyendra: É uma pergunta fundamental, e em vista disso continuamos nos perguntando: “o

” Mas a pergunta que eu concebo neste instante se é com o cérebro que possuímos será possível obtê-lo. Sou consciente de mim mesmo. Posso solicitar deste modo? como se trata essencialmente de uma maneira de enxergar para as coisas? é uma pergunta de raciocínio, de lógica?

K: Não, não se trata de um processo de análise, todavia de uma análise plena do que está acontecendo. Sat: O que a mente forme uma imagem? K: o cérebro é O centro de todas as respostas sensoriais. Estas foram desenvolvidas a experiência, o raciocínio e a ação; e o cérebro, que se encontra preso, isto que é parcial, nunca é completo. Portanto, contamina tudo o que faz. Se você admite isso uma única vez, não como mera hipótese, mas como um evento, o círculo será quebrado. PJ: Praticamente, todos os ensinamentos que têm que ver de perto com o procedimento meditativo, consideraram-se os sentidos como um obstáculo para colocar um encerramento a esse recurso.